Jornal Tribuna Sisaleira

Jornal Tribuna Sisaleira

Mãe é presa por tortura após ser filmada agredindo filha de sete anos com fios de extensão em MG; veja vídeo

Segundo a PM, a menina foi agredida porque estaria brincando com camisinhas que encontrou dentro de casa; vídeo foi gravado pelo ex-marido da mulher, que também foi preso. Defesa disse ao G1 que as agressões foram incitadas pelo ex-companheiro da mulher.


00:00/06:26
Após ser filmada agredindo filha, mulher é presa e encaminhada para presídio
O cabo explicou que o acionamento foi durante a noite depois que o homem procurou a mulher novamente para pressioná-la.
“Os dois iniciaram uma discussão e ele chamou a PM alegando que estava sendo importunado pela mulher, ela estaria dando chutes no portão da casa dele. Durante o atendimento da ocorrência, questionamos o motivo do desentendimento e o homem mostrou o vídeo”.
De acordo com a PM, os dois foram presos em flagrante e a menina foi encaminhada ao Instituto Médico Legal para exame de corpo delito, e depois ficou sob a responsabilidade de um tia. A extensão usada nas agressões foi apreendida e entregue na delegacia.

Investigação

A Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar o caso e a delegada, Mônica Paiva, informou que o homem foi autuado por tentativa de extorsão e a mulher por tortura. Ele foi levado para o presídio de Bocaiuva e a mulher para Itacarambi.
“A tortura é uma modalidade de crime em que pressupomos a prática do ato infligindo um grande sofrimento físico e mental na vítima. Pelas imagens, é possível notar o momento de intenso sofrimento vivido pela criança que era interrogada pela mãe”, disse a delegada.

O que diz a defesa

Por telefone, a advogada da mãe da criança esclareceu que as agressões foram incitadas pelo ex-companheiro da mulher.
“Ele já estava fazendo perturbação psicológica com ela e ao perceber que estava corrigindo a criança, passou a incitar as agressões. Ele fez isso para usar as imagens com o intuito de chantageá-la para que eles reatassem o relacionamento ”, explicou a advogada, Edna Maria Oliveira Gomes.
Ela disse ainda que a mulher não percebeu que era filmada e estava corrigindo a criança porque ela teria encontrado um preservativo na rua e levado para casa. A advogada afirmou que vai entrar com um pedido de habeas corpus na quarta-feira (15).