Região Sisaleira sofre com rodovias estaduais esburacadas

 

Região Sisaleira sofre com rodovias estaduais esburacadas

Vão os dias e vêm os buracos. Sai governo, entra governo, vai deputado, vem deputado, vai secretário, vem secretário, vai eleição, vem eleição e sempre as mesmas promessas, mas tudo continua da mesma forma, e nem ninguém faz nada para melhorar o lastimável estado de conservação das BAs 409, 120, 052 e 233 que cortam a região sisaleira, o semi-árido baiano que naturalmente enfrentam dificuldades devido à sua localização geográfica, passando por entrave nas suas pretensões desenvolvimentistas já que quatro importantes rodovias estaduais que cortam alguns municípios e poderiam se constituir em vetores de crescimento, estão em péssimo estado de conservação. A BA-120 que liga o município de Conceição do Coité a cidade de Riachão do Jacuípe com 34 quilômetros de extensão, reconstruída pelo estado com recursos superiores a R$ 8 milhões, no primeiro mandato do governador Rui Costa, é considerada uma das piores da região. Na opinião de motoristas e populares que utilizam essa importante via de acesso, a pista que deveria ter recebido tratamento de qualidade recebeu um manta asfáltica popularmente chamada de “sonrisal” por conta da sua fragilidade que não resistiu a quatro anos.

Mas o drama não para por ai: Outro trecho critico da BA-120 está entre as cidades de Valente e Santaluz, com 18 km de buracos, o que tem tirado os motoristas do sério. O mesmo acontece no trecho entre Queimadas a cidade de Cansanção, que também requer atenção redobrada. A BA-409, que liga as cidades de Serrinha a Coité, com 36 km de extenso é outra que se encontra em situação lastimável, o que requer uma atenção especial da secretaria de infraestrutura do estado. Não para por ai não: A BA-052, que liga Riachão do Jacuípe a cidade de Serra Preta, com 48 quilômetros de rodovia é outra que se encontra em situação critica, ou seja, são buracos de todos os tamanhos, que piora a cada dia que passa, com crateras ao longo da pista representando constantes prejuízos para os motoristas. Rodar por essa via de acesso exige perícia constante e muita prudência, onde até o acostamento se encontra esburacado, anulando assim qualquer espécie de opção para os motoristas.

A situação da BA-233 que liga Pé de Serra a Riachão do Jacuípe, numa extensão de 27 km, também não diverge das demais. Segundo populares, tudo isso acontece diante da falta de representantes comprometidos com o desenvolvimento da região.

Comentários