Santaluz: adolescente de 13 anos morre afogado no Açude Tapera

Jornal Tribuna Sisaleira

Jornal Tribuna Sisaleira

FRAUDE NA COMPRA DE RESPIRADORES NA BAHIA E CONSÓRCIO NE

Deflagrada pela Polícia Civil da Bahia, a operação Ragnarok, que investiga um grupo de suspeita de fraude na venda equipamentos hospitalares, culminou com a prisão de três pessoas nesta segunda-feira (1º). Os nomes e os locais das detenções não foram divulgados pela Secretária de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).
O mandado de prisão é contra três pessoas. A fundadora da empresa, o sócio e um dono de outra companhia.  
A empresa recebeu R$ 48 milhões do Consórcio Nordeste por um lote de respiradores. Os equipamentos não foram entregues e a devolução da grana não ocorreu.
A operação ocorre em Salvador e mais três cidades: Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo.
Em Salvador, a operação é realizada no Jardim Apipema, em um apartamento de um dos sócios da empresa, e em outro prédio comercial na Avenida Magalhães Neto. 
Uma operação foi deflagrada pela Polícia Civil da Bahia na manhã desta segunda-feira (1º) contra a empresa que vendeu e não entregou respiradores ao Consórcio Nordeste 
A empresa recebeu R$ 48 milhões por um lote de respiradores. Os equipamentos não foram entregues e a devolução da cifra não aconteceu.
De acordo com a TV Bahia, mandados de prisão e de busca e apreensão estão sendo cumpridos em Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.
Informações preliminares dão conta que a empresa que vendeu os respiradores para o Consórcio Nordeste é suspeita de estelionato. 
Em Salvador, a operação é realizada no Jardim Apipema, em um apartamento de um dos sócios da empresa, e em outro prédio comercial na Magalhães Neto. 
O mandado de prisão é contra três pessoas. A fundadora da empresa, o sócio e um dono de outra companhia. 
O governo da Bahia espera receber até o fim desta semana a devolução do dinheiro na compra de respiradores que foi cancelada após um impasse no prazo de entrega. Uma reunião virtual com a empresa aconteceu na última terça (12) para definir os detalhes do estorno financeiro.
“O dinheiro está fazendo o percurso de volta. A gente havia adquirido os respiradores de uma empresa americana. Lembrando que fizemos um processo de aquisição inicial em Miami, não deu certo, o distribuidor manteve a venda dentro dos Estados Unidos. Fizemos uma segunda tentativa de aquisição também em uma empresa americana, essa empresa transferiu o recurso para o distribuidor na China, o distribuidor pagou a fábrica, a AEL Med, a fábrica reescalou o prazo de entrega para junho e julho. Nós não aceitamos esse prazo e solicitamos a devolução dos recursos. A devolução está fazendo o caminho de volta, sendo reconvertida do dinheiro chinês para dólar, paga para a distribuidora, que paga para a empresa americana, que transfere para o governo do estado da Bahia. Tivemos uma reunião virtual ontem com a empresa. Amanhã, quinta ou sexta-feira, esse recurso deverá estar creditado em nossa conta”, disse Fábio Vilas-Boas, em entrevista para a TV Bahia.
A Bahia havia comprado uma carga com 350 respiradores com essa empresa. 
O governo do estado e o Consórcio do Nordeste adquiriram 750 respiradores de uma empresa da Inglaterra. A carga deve chegar na próxima semana. Com isso, a Bahia conseguirá abrir novos leitos de tratamento de casos de coronavírus.
“Na Fonte Nova, temos cem leitos de UTI, 140 de enfermaria, mas também temos leitos que ainda não foram abertos no Hospital Espanhol e no Hospital do Subúrbio, na tenda. Todos dependem da chegada dos esperados respiradores. O governo do estado e o Consórcio do Nordeste fizeram uma aquisição de 750 equipamentos na Inglaterra. Tenho acompanhado diariamente, duas vezes ao dia, estão caminhando para ser embarcados na próxima semana para Salvador. Temos outra aquisição que fizemos há alguns meses de um registro de preço que tínhamos de 158 respiradores, na próxima semana estaremos trazendo",  completou Vilas-Boas.