Jornal Tribuna Sisaleira

Jornal Tribuna Sisaleira

Artista plastico de 47 anos, transforma lixo em arte na Bahia

“Eu tinha vontade de ter brinquedos, mas por falta de recursos financeiros meus pais não tinham como comprar, daí eu comecei a criar peças artesanais com material que encontrava no lixo".

O artista plástico Crispim Dias, 47 anos, morador da Rua da Clarinha comunidade de Picado município de Conceição do Jacuípe, vem transformando lixo em ‘luxo’, com suas belas artes a partir do que não serve mais para nada e são lançados no lixo.
Quem visita a sua residência pode conhecer um pouco do trabalho de Crispim que segundo ele tem recebido da esposa Eliane Muniz muito incentivo para atuar na arte. Ele conta que os primeiros contatos com a arte começou na infância. “Eu tinha vontade de ter brinquedos, mas por falta de recursos financeiros meus pais não tinham como comprar, daí eu comecei a criar peças artesanais com material que encontrava no lixo e que dava para reciclar”, afirma.
O artista conjacuipense sempre foi aficionado por arte e o mais interessante é que não é uma arte copiada é uma arte com criação própria aonde a inspiração, segundo ele vem de Deus. Crispim disse que tem um sonho que é ser reconhecido, ter apoio e expor suas peças mais que infelizmente o incentivo ao artista no município não existe. “Temos vários artistas e uma cultura rica no município, mas por falta de apoio de incentivo nos tornamos pobres no quesito valorização da nossa própria identidade cultural”, lamenta.
As obras de Crispim são de foco educacional, reciclando e tentando colocar na mente das pessoas que precisamos cuidar do planeta e nada melhor do que transformar o lixo em arte por isso que usa como tema: RECICLAGEM, SUSTENTABILIDADE, BELEZA E CAOS.
Além das artes que tem na sua casa, Crispim mostrou uma pasta contendo várias fotos e era visível na expressão do seu rosto a felicidade. “A arte sempre refletirá as mudanças da sociedade, pois vivemos no mundo em que o ter é maior que o ser, eu em alguns momentos pensei em desistir, mas como brasileiro que sou, desistir jamais. Ainda não tenho um local apropriado, ou seja, um ateliê, mas um dia se Deus quiser terei um espaço tanto pra criar como para expor meus produtos”, finalizou.